Publicações

Educação e Epistemologías. O Contributo do Orçamento Participativo na (des) Construção do Conhecimento-Emancipação.

Resumo

Assumimos o Orçamento Participativo (OP) como uma estratégia da cidade que educa na cidadania em prol de práticas que consubstanciam uma acção democrática participativa. Consequentemente, mostrámos como o OP tem alicerçado práticas sociais que permeando a participação do cidadão e da cidadã na governança local, demonstraram não só a sua plasticidade nos processos de inclusão de visões e valores diferentes para a (des)construção social e cultural da cidade, como também tem-se desvelado como um mecanismo que, não só para o poder autárquico, como para o cidadão comum, tem permitido obter outras leituras do mundo. Outros entendimentos e hermenêuticas que despoletam outros conhecimentos, outras vias alternativas de inclusão, que se apresentam, pelo sucesso e difusão das práticas, como conhecimento-emancipação. O OP apresenta-se como um mecanismo, que para a governança da cidade age em prol da justiça social.

A proximidade que se estabelece entre o Executivo da cidade e o cidadão e a cidadã, que nela habitam, geram processos dialógicos fortíssimos cujo desencadeamento de negociações apela à competência cultural da cidade, ao saber ser intercultural dos cidadãos.

Num momento da história das sociedades em que a dicotomia entre o global e local agudiza-se, pelo crescente esbatimento das fronteiras geográficas, sociais e culturais, o OP apresenta-se como um movimento social gerador de um arcaboiço epistémico, ecologicamente (des)construído, que permitindo a humanização do oprimido, mostra-se essencial à investigação. Pela relação dialógica que institui, bem como pelos processos de negociação com os quais confronta-se, o OP apresenta-se-nos como um movimento que pedagogiza na cidade uma educação na cidadania.

Fonte: Revista Iberoamericana de Investigación sobre Cambio y Eficacia Escolar 

GLOBALISATION AND EDUCATION: THE ROLE OF THE EDUCATION SCHOOLS PROJECT

Annual Edition of the International Technology, Education and Development Conference

(INTED 2009)

Session: General Issues: Education, Globalization and Barriers to Learning

Valencia (Spain), 2009

 

Nuno Silva Fraga

Abstract

With this paper we aim to expose the symbiotic relationship between globalisation and education. We want to alert about the main fallacies of the global development project. We also go through the concepts of high and low intensities in globalisation, highlighting the tenuous line that separates them.
We intend to theorize about the impact of the European Dimension of Education in the process of planning and developing educative and curricular policies in the National, Regional and Local spectrum. It is relevant, in this sense, to understand the role of the Education Schools Project in the alignment of these European benchmarks, with the vision of social microcosm.
The present paper is part of a research Project for obtaining a master’s degree in Educational sciences in the specialty of educational administration.

 

Fonte: http://www.iated.org/concrete2/session_detail.php?session_id=61

A dimensão europeia da educação: percursos alternativos de acolhimento.

IV Colóquio CIE/DCE-UMa: Polí­ticas educativas: discursos e práticas

Funchal, Dezembro de 2008

Nuno Silva Fraga

Resumo

Factores como a globalização e a europeização aliados a constantes critérios de convergência, cuja fuga se torna sinónimo de fracasso e distanciamento face a uma Europa que se pretende competitiva, apelam a um redesenhar das acções tanto sociais como educativas. O Projecto de Investigação aqui apresentado, avoca a dimensão europeia da [na] educação como um dos pilares da poli­tica educativa para o desenvolvimento dos curricula em torno da necessidade dos programas educativos encorajarem os jovens a considerarem-se “não  apenas como cidadãos da sua região e do seu país, mas também como cidadãos da Europa e do mundo”. (Monteiro In Educação da Europa, p. 304). Pretende-se aferir em momentos posteriores o sucesso das recomendações europeias no âmbito da dimensão europeia da educação analisando orientações curriculares da política educativa nacional, bem como, o papel do Programa Comenius na prevenção do abandono escolar precoce.

Palavras-chave: Globalização; Europa; Currículo

Abstract

The European dimension of education

Factors like globalization and europeization, associated to benchmarks, where escape from them becomes a synonym of failure and distance from a Europe that is intended to be competitive, calls for a redesign of social and educative actions. The Research Project here presented, calls for the European dimension of [in] education as one of the parameters of educative policy for the improvement of the curricula around the needs of the educative programs to encourage young people to consider themselves “not only citizens of their region and their country, but citizens of Europe and the world”. (Monteiro In Educação da Europa, p. 304). We intend to verify alongside the development of the project, the success of the European recommendations in the scope of the European dimension of education, analyzing curricular orientations of the national educative policy, as well as the role of the Comenius Program in the prevention of early school leaving.

Keywords: Globalization, Europe, Curriculum.

Liderança Escolar. Qualidade que se aprende e desenvolve

III Colóquio DCE/CIE-UMa: Educação em Tempo de Mudança

Funchal, 6 e 7 de Dezembro de 2007

 

Ana Carina Libório

Nuno Silva Fraga

Sofia Silva

Vanda Oliveira

 

Resumo

A emergência de modelos de administração pública participativa força a Escola a uma reformulação do seu plano director, isto é: não nos podemos deixar ficar pelo endeusamento de uma autonomia decretada, cuja operacionalização é promotora de uma escamoteada burocracia weberiana, que ao tentar responsabilizar as escolas pelo sucesso educativo, conduz os seus agentes a um retrocesso logístico e a uma utópica descentralização do sistema. Questionamos se a Escola é capaz de transpor o mero exercício retórico da legislação e impor-se na organização do sistema enquanto parte integrante. Que liderança escolar se exige?

Problematizamos aqui, a operacionalização de princípios administrativos contemporâneos, tais como transparência, accountability, participação e equidade. Pretendemos abordar as relações entre Liderança e Clima Escolares e elucidar o papel do Líder na condução estratégica da organização educativa.

Palavras-chave:

Lideranças e Climas Escolares; Projecto Educativo; Participação.

 

Abstract

School Leadership. A quality that is learnt and developed.

The emergence of public participative models of administration forces the School to rebuild its directive plan, that is: we can’t let ourselves stay by the deification of a decreed autonomy, whose operationalization is the promoter of a concealed weberian bureaucracy, while trying to make the schools responsible by the educative success, drives its agents to a logistic retreat and to an utopian decentralization of the system. We question if the School is able to transpose the mere rhetorical exercise of legislation and impose itself in the organization of the educational system as a building piece. What kind of school leadership is demanded?

We question here, the operationalization of contemporary administrative principles, such as transparency, accountability, participation and equity. We pretend to approach the relationships between Leadership and School Climate and to elucidate the role of the leader in the strategic guidance of the educational organization.

Keywords:

Leaderships and School Climates; Educative Project; Participation.

A etnografia no processo de interpretação da liderança e clima escolares em correlação com o Projecto Educativo de Escola

III Congresso Internacional sobre Etnografia

Julho de 2007. Cabeceiras de Basto.

Tema: Gestão, intervenção e acompanhamento nas instituições

Nuno Silva Fraga

Universidade da Madeira

Departamento de Ciências da Educação

Resumo

Ensaio Prospectivo

As dinâmicas da escola compreendidas no seu Projecto Educativo, figura impar das identidades plurais que endogenamente coabitam o espaço escolar, necessitam de uma abordagem que especificando a cultura organizacional, saiba descrever e interpretar o conjunto de interacções e situações que emanam das pessoas e daquele exacerbado clima.

Neste prisma, ganha força a problematização da Abordagem Etnográfica no entendimento dos processos de liderança e clima escolares.

A etnografia coloca em relevo os pressupostos e implicações de uma dimensão pessoal dinâmica em interacção com uma dimensão institucional e sócio-cultural avocando um novo olhar para o estudo da escola e das suas identidades plurais. Neste entendimento, a interpretação das lideranças e climas escolares transcendem a mera abordagem comportamental, assentando na necessidade de uma visão estratégica de investigação que apele às suas multifacetadas presenças, uma visão que no encadeamento deste ensaio, privilegia a etnografia na medida da proximidade ao contexto e da criação de canais saudáveis de comunicação.

« Older Entries